segunda-feira, 31 de maio de 2010

Para o lixo

Mando esta carta direto para você, desejando vê-lo reciclado o mais rápido possível. Espero que não esteja cheio de mim. O problema é que acordei me sentindo como você e, ao precisar escrever algo, pois me cobram, comecei a buscar assuntos para jogar fora. Você sabe: o lixo de um homem é o tesouro de outro.

Pensei em perguntar sobre aqueles poemas que enviei para você alguns anos atrás – lembra? A única pessoa que teve acesso a eles, além de você, não entende, até hoje, como é que eu amei tanto lixo em minha vida.

Pergunto-me a mesma coisa, de tempos em tempos: o que há em você, lixo, que me atrai e me engana tanto? Seguramente, não é o seu perfume. Nem a sua aparência – além de baixinho, não conheço ninguém que não o ache feio e desarrumado.

Você é cheio de cultura, não nego. E talvez tenha sido mesmo isso – essa transbordante quantidade de informação dentro de você – que tenha me encantado em sua personalidade, a princípio. Você guarda tudo: as críticas de jornal, as fofocas dos famosos, as declarações dos políticos, os horóscopos do dia.

Mas acontece que, quando esse tipo de coisa acaba, mostra-se vazio. Nada em você sugere profundidade ou durabilidade. É como se tudo passasse por seu interior sem jamais afetá-lo. Numa leveza que você não tem, pois é pesado e repetitivo – haja saco para agüentá-lo, às vezes.

Você deve estar de boca aberta neste instante, paralisado no seu canto, incapaz de reagir às minhas considerações. Como se eu estivesse jogando falsas acusações em sua cara, assim, na lata, a fim de me livrar de responsabilidades sobre as coisas.

Olha, lixo, estou pouco me lixando. Toda esta sua nova postura, de politicamente correto, não me engana. Você se diz cada vez mais ecológico, mas vive se escondendo debaixo de subterfúgios, sempre ligado aos abutres e a Brasília. Quando chove forte, aí, sim, você aparece, boiando sobre o assunto, para que a população saiba que você existe. Você não vale nada, essa é que é a verdade.

Sei que você vai me acusar de fazer sujeira contigo, mas no momento é o que me resta. Quantas vezes as minhas melhores intenções foram para você, lixo, terminando desperdiçadas?

Minhas mais verdadeiras cartas de amor, em você, sucumbiram. Minhas mais lindas frases de desabafo, em você, silenciaram. Meus mil desejos inconfessáveis, em você, desintegraram-se.

Depois que você entrou no meu computador, então, foi decepção atrás de decepção. É triste dizer, lixo, mas você desperta e traz à tona o que há de pior em mim. Quero você, ao mesmo tempo, o mais perto e o mais longe possível – sendo essa incongruência meu pior dilema.

Por isso, na última vez que cruzei com você, na rua, olhei para o outro lado. Anteontem, ao contrário, me encontrei com seu irmão, luxo, na mesma rua, e fiz questão de cumprimentá-lo. Incrível como vocês são tão parecidos e tão diferentes. Ele me deixa de alto-astral.

Um dia, achei que você não era de se jogar fora. Estava enganada. Hoje, resolvi tratar você como merece. E, se estiver pensando em se colocar no meu caminho, vá se catar. Ponha-se no seu lugar.caminho

Fernanda Young

sonhos…


Você precisa ter sonhos,
para que possa se levantar, todas as vezes que cair.

Acreditar que a toda hora,
acontecerá coisas boas e mudar o rumo da sua vida.

Você precisa ter sonhos grandes e pequenos,
os pequenos, são as felicidades mais rápidas, os grandes, lhe darão força
para suportar o fracasso dos sonhos pequenos.

Você tem que regar os teus sonhos todos os dias, assim como se rega uma planta para que cresça…

Você precisa dizer sempre a você mesmo:
-Vou conseguir! -vou superar! -vou chegar no meu sonho!

Fazendo isso, você estará cultivando sua luz, a luz de sempre ter esperanças,
que nunca poderá se apagar,
pois ela é a imagem que você pode passar
para as outras pessoas,
e através dessa luz que todos vão lhe admirar, acreditar em você e te seguir.

Mire na Lua, pois se você não puder atingi-la,
com certeza irá conhecer grandes estrelas…
ou quem sabe, poder ser uma delas!
caminho

Vilma Galvão

Alice no País do Espelho


“Criança pura, de olhar despreocupado
E o rosto sonhador das maravilhas!
Embora o tempo seja rápido e suas trilhas
Por meia vida nos tenham separado,
Teu sorriso contente saudará as baladas
No dom de amor deste conto de fadas

Teu rosto radiante não vi nem verei,
Nem hei de escutar teu riso argentino:
Jamais pensarás do autor no destino.
Em tua juventude lugar não terei.
Mas basta que agora escutes as baladas
Singelas, contidas em meu conto de fadas.

Num tempo distante ocorreu esta história,
Quando o sol de verão brilhava feliz.
Um toque de sino que agora nos diz,
Num ritmo leve, que traz à memória
Os ecos da infância e faz relembrar
O que a inveja da idade preferia apagar!

Escuta-me agora, pois a voz do pavor
De notícias amargas virá carregada;
Em breve a teu leito será convocada
A mulher melancólia do luto e temor.
A hora do leito é como o fim da vida:
Somos apenas crianças mais velhas, querida.

Há geada lá fora, há neve cegante,
Os caprichos do vento, a feroz tempestade;
Mas no ninho infantil, em que a felicidade
Se aquece à lareira de luz crepitante
Tua atenção será presa pelas palavras mágicas
E não hás de temer as rajadas mais trágicas.

Se enfim a sombra esquiva de um suspiro
Profundo tremular ao longo da história,
Dos dias de verão pela perdida glória,
Pelo feliz fulgor que te alegrou o mundo,
Não poderá afetar, com tristezas aladas,
A alegria e o frescor deste contos de fadas.”

caminho
Lewis Carrol

Palavras ao vento - Pedro Bial

A primeira letra do alfabeto é também a primeira letra da palavra amor e se acha importantíssima por isso!

Com A se escreve “arrependimento” que é uma inútil vontade de pedir ao tempo para voltar atrás e com A se dá o tipo de tchau mais triste que existe: “adeus”… Ah, é com A que se faz
“abracadabra”, palavra que se diz capaz de transformar sapo em príncipe e vice-versa…

Com B se diz “belo” – que é tudo que faz os olhos pensarem ser coração; e se dá a “bênção”, um sim que pretende dar sorte.

Com C, “calendário”, que é onde moram os dias e o “carnaval”, esta oportunidade praticamente obrigatória de ser feliz com data marcada. “Civilizado” é quem já aprendeu a cantar “parabéns pra
você” e sabe o que é “contrato”: “você isso, eu aquilo, com assinatura embaixo”.

Com D , se chega à “dedução”, o caminho entre o “se” e o “então”… Com Dcomeça “defeito”, que é cada pedacinho que falta para se chegar à perfeição e se pede “desculpa”, uma palavra que pretende ser beijo.

E tem o E de “efêmero”, quando o eterno passa logo; de “escuridão”, que é o resto da noite, se alguém recortar as estrelas; e “emoção”, um tango que ainda não foi feito. E tem também “eba!”, uma forma de agradecimento muito utilizada por quem ganhou um pirulito, por exemplo…

F é para “fantasia”, qualquer tipo de “já pensou se fosse assim?”; “fábula”, uma história que poderia ter acontecido de verdade, se a verdade fosse um pouco mais maluca; e “fé”, que é toda certeza que dispensa provas.

A sétima letra do alfabeto é G, que fica irritadíssima quando a confundem com oJ. G, de “grade”, que serve para prender todo mundo – uns dentro, outros fora;G de “goleiro”, alguém em quem
se pode botar a culpa do gol; G de “gente”: carne, osso, alma e sentimento, tudo isso ao mesmo tempo.

Depois vem o H de “história”: quando todas as palavras do dicionário ficam à disposição de quem quiser contar qualquer coisa que tenha acontecido ou sido inventada.

O I de “idade”, aquilo que você tem certeza que vai ganhar de aniversário, queira ou não queira.

J de “janela!, por onde entra tudo que é lá fora e de “jasmim”, que tem a sorte de ser flor e ainda tem a graça de se chamar assim.

L de “lá”, onde a gente fica pensando se está melhor ou pior do que aqui; de “lágrima”, sumo que sai pelos olhos quando se espreme o coração, e de “loucura”, coisa que quem não tem só pode ser completamente louco.

M de “madrugada”, quando vivem os sonhos…

N de “noiva”, moça que geralmente usa branco por fora e vermelho por dentro.

O de “óbvio”, não precisa explicar…

P de “pecado”, algo que os homens inventaram e então inventaram que foi Deus que inventou.

Q, tudo que tem um não sei quê de não sei quê.

E R, de “rebolar”, o que se tem que fazer pra chegar lá.

S é de “sagrado”, tudo o que combina com uma cantata de Bach; de “segredo”, aquilo que você está louco pra contar; de “sexo”: quando o beijo é maior que a boca.

T é de “talvez”, resposta pior que “não”, uma vez que ainda deixa, meio bamba, uma esperança… de “tanto”, um muito que até ficou tonto… de “testemunha”: quem por sorte ou por azar, não
estava em outro lugar.

U de “ui”, um ài” que ainda é arrepio; de “último”, que anuncia o começo de outra coisa; e de “único”: tudo que, pela facilidade de virar nenhum, pede cuidado.

Vem o V, de “vazio”, um termo injusto com a palavra nada; de “volúvel”, uma pessoa que ora quer o que quer, ora quer o que querem que ela queira.

E chegamos ao X, uma incógnita… X de “xingamento”, que é uma palavra ou frase destinada a acabar com a alegria de alguém; e de “xô”, única palavra do dicionário das aves traduzida para o
português.

Z é a última letra do alfabeto, que alcançou a glória quando foi usada pelo Zorro… Z de “zaga”, algo que serve para o goleiro não se sentir o único culpado; de “zebra”, quando você esperava
liso e veio listrado; e de “zíper”, fecho que precisa de um bom motivo pra ser aberto; e de “zureta”, que é como fica a cabeça da gente ao final de um dicionário inteiro.

Recomeçar


Não importa onde você parou…
em que momento da vida você cansou…
o que importa é que sempre é possível e necessário “Recomeçar”.

Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo…
é renovar as esperanças na vida e o mais importante…
acreditar em você de novo.
Sofreu muito nesse período?
foi aprendizado…
Chorou muito?
foi limpeza da alma…

Ficou com raiva das pessoas?
foi para perdoá-las um dia…

Sentiu-se só por diversas vezes?
é porque fechaste a porta até para os anjos…
Acreditou que tudo estava perdido?
era o início da tua melhora…
Pois é…agora é hora de reiniciar…de pensar na luz…
de encontrar prazer nas coisas simples de novo.
Que tal
Um corte de cabelo arrojado… diferente?
Um novo curso…ou aquele velho desejo de aprender a pintar…desenhar…dominar o computador…
ou qualquer outra coisa…

Olha quanto desafio…quanta coisa nova nesse mundão de meu Deus te esperando.

Tá se sentindo sozinho?
besteira…tem tanta gente que você afastou com o seu “período de isolamento”…
tem tanta gente esperando apenas um sorriso teu para “chegar” perto de você.

Quando nos trancamos na tristeza…
nem nós mesmos nos suportamos…
ficamos horríveis…
o mal humor vai comendo nosso fígado…
até a boca fica amarga.
Recomeçar…hoje é um bom dia para começar novos desafios.
Onde você quer chegar? ir alto…sonhe alto… queira o melhor do melhor… queira coisas boas para a vida… pensando assim trazemos prá nós aquilo que desejamos… se pensamos pequeno…
coisas pequenas teremos…
já se desejarmos fortemente o melhor e principalmente lutarmos pelo melhor…
o melhor vai se instalar na nossa vida.
E é hoje o dia da faxina mental…
joga fora tudo que te prende ao passado… ao mundinho de coisas tristes…
fotos…peças de roupa, papel de bala…ingressos de cinema, bilhetes de viagens… e toda aquela tranqueira que guardamos quando nos julgamos apaixonados… jogue tudo fora… mas principalmente… esvazie seu coração… fique pronto para a vida… para um novo amor… Lembre-se somos apaixonáveis… somos sempre capazes de amar muitas e muitas vezes… afinal de contas… Nós somos o “Amor”…
” Porque sou do tamanho daquilo que vejo, e não do tamanho da minha altura.”

caminho
Carlos Drummond de Andrade

Ser feliz


Você pode ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não se esqueça de que sua vida é a maior empresa do mundo. E você pode evitar que ela vá à falência.

Há muitas pessoas que precisam, admiram e torcem por você. Gostaria que você sempre se lembrasse de que ser feliz não é ter um céu sem tempestade, caminhos sem acidentes, trabalhos sem fadigas, relacionamentos sem desilusões.

Ser feliz é encontrar força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros.

Ser feliz não é apenas valorizar o sorriso, mas refletir sobre a tristeza. Não é apenas comemorar o sucesso, mas aprender lições nos fracassos. Não é apenas ter júbilo nos aplausos, mas encontrar alegria no anonimato.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma.

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um “não”. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Ser feliz é deixar viver a criança livre, alegre e simples, que mora dentro de cada um de nós. É ter maturidade para falar “eu errei”. É ter ousadia para dizer “me perdoe”. É ter sensibilidade para expressar “eu preciso de você”. É ter capacidade de dizer “eu te amo”. É ter humildade da receptividade.

Desejo que a vida se torne um canteiro de oportunidades para você ser feliz… E, quando você errar o caminho, recomece, pois assim você descobrirá que ser feliz não é ter uma vida perfeita, mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância.

Usar as perdas para refinar a paciência.
Usar as falhas para lapidar o prazer.
Usar os obstáculos para abrir as janelas da inteligência.

Jamais desista de si mesmo.
Jamais desista das pessoas que você ama.
Jamais desista de ser feliz, pois a vida é um espetáculo imperdível, ainda que se apresentem dezenas de fatores a demonstrarem o contrário.

Pedras no caminho? Guardo todas… Um dia vou construir um castelo!

caminho
Fernando Pessoa

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Alice


quem sou eu:


"Quem é 'você'?" perguntou a Lagarta.
Não era um começo de conversa muito animador. Alice respondeu, meio encabulada: "Eu... eu mal sei, Sir, neste exato momento... pelo menos sei quem eu era quando me levantei esta manhã, mas acho que já passei por tantas mudanças desde então."
"Que quer dizer com isso?" esbravejou a Lagarta. "Explique-se!"
"Receio não poder 'me' explicar", respondeu Alice, "porque não sou eu mesma, entende?
"Não entendo", disse a Lagarta.

(Lewis Carrol
Aventuras de Alice no País das Maravilhas)