quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Sempre fui uma criança que não gostava de outras crianças.
Gostava mesmo era de ficar perto dos adultos. Talvez fosse um pouco inconveniente para alguns, mas para outros havia sentimentos de amizade, carinho e atenção sincera.
O Walter era um amigo da minha mãe que se tornou meu amigo. Ele era "o adulto legal" que morava numa casa bonita e que realmente gostava de conversar comigo. Conversávamos muito. Ele sempre foi um bom ouvinte e confidente. Corinthiano, fiel e sofredor... por muito tempo, minha diversão era assistir aos jogos com ele.
Era um adulto sensível, desses que raramente encontramos.
Viveu como quis. Autêntico. Profissão: cartomante. Opção sexual: homossexual. Muitos predicados que costumam ser julgados por qualquer um que não o conhecia. Não parecia se importar com o que os outros falavam ou pensavam dele. Não tinha preconceitos. E só queria ser feliz.
Tornei-me adulta e confesso que não era mais uma amiga presente em sua casa.  Mas sempre me lembrava dele com carinho e admiração. Saber do seu falecimento me fez lembrar do tanto que gostava dele... Do tanto que aprendi com ele. Do tanto que, ser Carina, se moldou com ele.
Que a alegria, as risadas e as cervejas geladas das 18h estejam sempre vivas na lembrança dos seus amigos.
Descanse em paz meu amigo.